Pensar Bateria vs. Tocar Bateria

Fala batera!

 

Hoje eu quero dividir contigo uma dica que pra muitos talvez seja óbvia, mas pra mim não foi e sei que não é para muita gente:

na hora de estudar, pensar bateria é muito mais importante que tocar bateria!

 

Foi observando meus alunos e minhas alunas repetirem o meu erro que percebi como eu errava (da maneira que tanto me incomodava), eu tinha aquele tipo de preguiça que só faz a gente passar mais trabalho no futuro: quando eu ia aprender uma música nova, eu sentava direto na bateria e ia ouvindo e tocando aos poucos. O mesmo eu fazia tentando ler uma partitura, aprender um exercício de independência, um ritmo, etc. Por pura preguiça de fazer o certo, o passo a passo que me tomaria algum tempo antes de tocar, eu ficava MUITO mais tempo quebrando a cabeça depois, sentada na bateria e às vezes chegando à exaustão. Ainda o que eu tenho mais prazer é sentar e tocar, não há dúvidas disso, mas para poder tocar, tenho que ter certas habilidades, sejam de compreensão ou de coordenação mesmo. Então dedicar um certo tempo escutando com atenção, entendendo, aprendendo, antes de tocar algo novo ainda é a opção mais rápida que eu encontrei para atingir tal objetivo.

 

Nunca esquece: teu cérebro é a parte mais importante do teu corpo em qualquer atividade que vais desenvolver, então, antes de tocar qualquer coisa nova, o mais importante é entender!

 

Uma super forma simples pra aprender é:

 

1 - ouvir

 

2 - entender

 

3 - solfejar (cantar)

 

4 - mentalizar

 

5 - praticar na bateria

 

 

Explico a partir da música Tome, do Bit Comma:

 

Sim, depois de anos ensinando tudo isso que falei anteriormente, eu repeti o erro. Eu amo tanto essa música que só tinha vontade de sentar e tocar, mas como tu sabes, não deu certo. Além de a melodia não seguir a lógica simples de música pop, há um único compasso em 7/8 (minuto 1:51) no meio da música. Como a gente toca ela com base eletrônica não dá pra simplesmente dar aquela enrolada, olhar pro colega e seguir o baile: vai ficar feio! Então eu fiz o que deveria ter feito desde o início: entendi groove, contei os compassos, escrevi em uma partitura pra usar como mapa de estudos, ouvi a música de novo, lendo o que eu tinha escrito, confirmei que tinha entendi ela, cantei a melodia ouvindo a música, cantei o groove, repassei tudo na minha cabeça, sentei, pratiquei, ela ficou quase natural na minha memória muscular e, feliz da vida, fui ensaiar! \o/

 

             Gustavo disse que ela ainda não estava limpa...

 

 

 

​​

 

 

Tudo bem! Vida que segue, eu já tinha a partitura, depois foi só praticar o groove de uma música que é a 124bpm a 35bpm (sim, quando está sujo a faxina é levada a sério).

Depois de quebrar a cabeça aos 35bpm, foi só chegar no ensaio e usar nossa conhecida memória muscular para simplesmente sentir a música, tocar sem pensar, afinal a hora de estudar já tinha passado! Agora era só ouvir, tocar, sentir e expressar tudo o que eu queria!!

 

 

 

Quer saber muito mais sobre bateria??

Clica aqui!

 

Please reload

  • YouTube Social  Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon